gallery

4 MOSTRA TERRITÓRIOS IMPRÓPRIOS
giant-stilts-I

MOSTRA TERRITÓRIOS IMPRÓPRIOS

Author Pedro Maia
Team Eduarda Kuhnert, Luiza Schreier, Diego Franco, Marcos De Amorim, Fernando Bonini
Country Brazil

Partimos do encontro entre uma publicação independente sobre arte e um grupo de arquitetos para idealizar um espaço de acolhimento para certos encontros mediados pelo cinema, nesse caso, um auditório entre as vigas de uma construção vazia. Quais são as relações possíveis entre a arquitetura e o cinema? Onde moram as interseções entre ocupar o vazio de um espaço e o vazio da imagem? O que uma estrutura em redes cujo labirinto solicita uma caminhada diz sobre uma mostra de filmes que mergulham nas rotas das cidades?
Sabemos que o cinema é importante ferramenta de problematização dos espaços, enquanto fábrica de possibilidades para o real, o que justifica nossa opção pelo cinema como mediador das ações propostas no projeto. Enquanto espacialidade, apostamos nas potências da circulação, a partir de uma construção que age naquele local propondo o trânsito de pessoas por vias antes não imaginadas ali. Assim também fazem as imagens em movimento do cinema: desnudam hábitos, diluem fronteiras imaginárias e reconfiguram os trajetos. Além disso, torna-se importante atentar que o cinema brasileiro já filmou e homenageou em inúmeros exemplos a experiência da deriva: desde o cinema marginal, representado pelas estratégias perturbadoras de ser na cidade de Copacabana Mon Amour, de Rogério Sganzerla, até o cinema contemporâneo de Notas Flanantes, de Clarissa Campolina, que lança seu corpo em lugares desconhecidos escolhidos por sorteio no mapa de Belo Horizonte.
Intitulada Territórios Impróprios, a mostra proposta nesse projeto é desdobramento de uma série de encontros sobre cinema promovidos pela revista que assina a curadoria dos filmes. A cidade já foi tema de interesse dos editores da publicação tanto em uma edição específica sobre as questões que envolvem uma vizinhança assim como em sessões de cineclube. Como um laboratório no qual, através das narrativas do cinema, seja possível imaginar coletivamente outros meios de experienciar e conhecer a cidade, propomos cinco encontros e a exibição de nove filmes brasileiros contemporâneos, entre curtas e longas-metragem, oriundos de diferentes cenas locais. Vale ressaltar que o período de duração da mostra pode ser reavaliado, uma vez solicitado pela organização do Festival Cultural citado no “Edital Outros Territórios”. Além disso, nos interessa imensamente que a estrutura espacial continue a ser habitada por membros da comunidade local, seja incentivando a criação de cineclubes ou mesmo rodas de conversa para pensar questões e problemas do entorno.
A mostra será inaugurada com o filme Iluminai os terreiros, de Eduardo Climachauska, Gustavo Moura e Nuno Ramos, que parte de uma instalação de onze postes de iluminação dispostos em círculo, montados em áreas inóspitas na região montanhosa dos arredores de Belo Horizonte. Segundo Ramos, esse círculo de luz que ilumina o vazio “quer descobrir o noturno, o hiato, o esquecido, o inacessível, o de passagem e a paisagem que nunca se fixa” .

jury comments


The proposal depicts a good occupation of the stilt and contemplates a program for its use. Technically well elaborated, it details an excellent audiovisual festival focused on the specific issues of the stilts space.

There are reservations about the construction, since the budget contemplates only the architectural design. The costs related to the festival must be discussed in Phase 2 to make it feasible.

It was also noted that there is no spatial specificity in it, that is, it seems to us that the proposal could be performed in another structure – it is flexible and could be adapted to another neighboring stilt.

Points that can be deepened in Phase 2:
- The costs of the architectural proposal must be detailed (the values seem to be underestimated), and
- The budget of the cinema festival must be presented.

proposals
order by ranking / stilt / country

honorable mentions